Secretaria de Desenvolvimento Social, Juventude, Políticas sobre Drogas e Direitos Humanos

NOTÍCIAS

Direitos Humanos | 06.07.18 - 16h06

PCR promove ações de proteção às crianças na Fenearte

img_alt

Equipes do Serviço Especializado em Abordagem Social vão sensibilizar a população sobre a importância de proteger as crianças e adolescentes da exploração pelo trabalho infantil (Foto: Luciano Ferreira/PCR)

 

A Secretaria de Desenvolvimento Social, Juventude, Políticas sobre Drogas e Direitos Humanos (SDSJPDDH) da Prefeitura do Recife realiza, a partir desta sexta-feira (06), intervenções na 19ª Feira Nacional de Negócios do Artesanato (Fenearte), que está sendo realizada no Centro de Convenções de Pernambuco, até o próximo dia 15. Junto com a Prefeitura de Olinda, equipes do Serviço Especializado em Abordagem Social (Seas) do Recife vão sensibilizar os pais, artesãos e demais visitantes da feira sobre a importância de garantir os direitos das crianças e adolescentes, protegendo-os de exploração pelo trabalho infantil, entre outras violações de direitos que poderão ser identificadas durante os cerca de dez dias da Fenearte, que é considerada a maior feira desse tipo na América Latina e também conta com estandes da PCR. A partir do próximo dia 13 até o dia 16,a SDSJPDDH também atuará na Festa de Nossa Senhora do Carmo. 

Na ação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil do Recife (Peti), os profissionais do Seas vão tentar identificar violações de direitos, conversar com os comerciantes e distribuir panfletos, abanadores, lixeirinhas para carro e garrafinhas de águacom a marca da campanha de enfrentamento ao trabalho infantil no Recife, com a frase“Trabalho infantil não é brincadeira". O Peti desenvolve ações de prevenção e erradicação do trabalho infantil nos territórios da cidade, identificando crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil e oferecendo proteção social a eles e às famílias. Nos últimos três anos, o Peti contabilizou mais de mil casos de trabalho infantil na capital pernambucana. 

Quando os profissionais do Serviço Especializado em Abordagem Social (Seas)identificam crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade e risco social, eles avaliam quais casos precisam ser encaminhados para os Centros de Referência e para os Centros de Referência Especializados em Assistência Social (Cras e Creas), para acompanhamento das famílias através da inserção social via políticas públicas de proteção e promoção social.

Algumas crianças, adolescentes e as famílias podem ser inseridos no Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família (PAIF) e no Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV), que oferece atividades esportivas e culturais para as crianças no contraturno escolar. As situações mais críticas são levadas para discussão no Grupo de Trabalho (GT) de Risco da Criança e do Adolescente do Recife, onde os casos são debatidos com os profissionais da assistência social, saúde, educação, Conselho Tutelar, Ministério Público de Pernambuco, entre outros envolvidos.