Secretaria de Desenvolvimento Social, Juventude, Políticas sobre Drogas e Direitos Humanos

NOTÍCIAS

Direitos Humanos | 16.04.18 - 19h25

Alunas do Pronatec aprendem a preparar currículo no Centro Júlia Santiago

img_alt

A turma do curso Pronatec Mulheres Mil que estuda em Brasília Teimosa também pôde se cadastrar no Sistema Público de Emprego (Foto: Antônio Tenório/PCR)

 

Quarenta alunas dos cursos profissionalizantes promovidos pelo programa Pronatec Mulheres Mil, realizado em parceria com a Prefeitura do Recife, se cadastraram no Sistema Público de Emprego e receberam dicas de como preparar currículo nesta segunda-feira (16), no Centro da Mulher Metropolitana Júlia Santiago, em Brasília Teimosa. A Prefeitura do Recife levou os serviços da Agência do Emprego até as usuárias da política de assistência social que moram em Brasília Teimosa e estudam no Centro localizado no mesmo bairro, através de uma parceria entre a Secretaria de Desenvolvimento Social, Juventude, Políticas sobre Drogas e Direitos Humanos do Recife (SDSJPDDH), Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente e Secretaria da Mulher do Recife.

A orientadora profissional da Agência de Emprego do Recife, Aline Mariz, deu dicas de como preparar um currículo personalizado e resumido. “As informações têm que ser diretas porque as pessoas não passam mais de sete segundos lendo um currículo. E o ideal é que vocês adaptem as partes do objetivo e da área de atuação de acordo com a vaga que vocês vão tentar”, explicou Aline.

Jailton Ranieri, assessor técnico de Inclusão Produtiva do Programa de Promoção do Acesso ao Mundo do Trabalho (Acessuas Trabalho Recife), ligada à SDSJPDDH, explicou que o público prioritário do Pronatec Mulheres Mil são as mulheres em situação de vulnerabilidade social. Os cursos do Ministério da Educação (MEC) são executados na capital pernambucana através de uma articulação do Acessuas Recife, Secretaria da Mulher e Colégio Agrícola Dom Agostinho Ikas (Codai), vinculado à Universidade Federal de Pernambuco (UFRPE). “Quando acaba o curso de qualificação profissional, a grande dificuldade da maior parte dessas mulheres é saber como preparar o currículo e se portar numa entrevista de emprego. Fizemos essa parceria justamente para ajudá-las a se inserir no mercado de trabalho”.

Moradora de Brasília Teimosa e desempregada há quase cinco anos, Vanessa Maria da Silva, de 36 anos, resolveu parar de vender produtos das revistas da Avon e da Natura para se qualificar, já que as vendas não estavam boas. “Iniciei o curso de agente de saúde há quatro meses e, daqui a cinco, já termino. Estou gostando muito das aulas. Cada dia é uma nova oportunidade de aprendizagem. E acho ótimo poder estudar perto de casa porque a gente que está desempregada muitas vezes não tem dinheiro pra passagem. E hoje aproveitei várias dicas, anotei muita coisa. Descobri que eu estava cometendo alguns erros na hora de preparar meu currículo”, percebeu Vanessa.

MUNDO DO TRABALHO - Trinta jovens em situação de vulnerabilidade social iniciaram, nesta segunda, o curso gratuito de Formação para o Mundo do Trabalho (FMT), fruto de uma parceria entre a Prefeitura do Recife e o Ensino Social Profissionalizante (Espro). As assistentes sociais do Acessuas Trabalho Recife fazem a interlocução entre as instituições parceiras que oferecem os cursos e os estudantes. A aula inaugural aconteceu na sede da Espro, no bairro de Santo Antônio, no centro do Recife.

A equipe do Acessuas acompanha os estudantes durante todo o percurso, desde a articulação e mobilização até o monitoramento da frequência nas aulas e a inserção no mundo de trabalho, além de garantir o transporte e a alimentação dos estudantes. Através de cursos gratuitos de formação e qualificação profissional, o Acessuas objetiva ampliar as oportunidades de emprego das pessoas em situação de vulnerabilidade social, como forma de buscar a autonomia das famílias usuárias da Política de Assistência Social. O público prioritário dos cursos de formação são os jovens de 18 a 22 anos que estejam preferencialmente inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais – sistema do Governo Federal que contém informações sobre as famílias brasileiras de baixa renda. O Espro é responsável pelo material didático, fardamento, professor e por ceder o espaço para as aulas.