NOTÍCIAS

Educação | 04.10.18 - 15h13

Creche São João ganha inédito Ecocantinho dedicado ao meio ambiente e leitura

img_alt

A inauguração do espaço contou com muita contação de histórias e segue uma tendência presente em toda a rede municipal de ensino (Foto: Lu Streithorst/PCR)

 

 

Nesta quinta, 4 de outubro, é celebrado o Dia da Natureza, data que fomenta uma reflexão acerca do futuro que desejamos para o planeta e o impacto que as ações individuais podem causar. Na Macaxeira, a creche Municipal São João marcou a data com a inauguração de um projeto inédito que reuniu sensibilização ambiental e fomento à leitura com a inauguração de um Ecocantinho: local de acolhimento onde as crianças poderão desfrutar de um ambiente de leitura e de um jardim suspenso.

A inauguração do espaço, que conta com muita contação de histórias, segue uma tendência presente em toda a rede municipal. A Política de Ensino da Rede tem como princípio uma vinculação estreita entre os processos educativos e a realidade vivida, numa perspectiva integradora das relações sociedade-natureza. O eixo do Meio Ambiente e Educação da política de ensino do Recife visa construir a cidadania ambiental e planetária.

No ecocantinho, construído pela comunidade escolar, plantas e vasos dividem o espaço com livros e brinquedos. Na confecção, materiais de metarreciclagem, pneus velhos e vasos reciclados criaram um espaço lúdico e de muita informação para os futuros leitores. “Esse cantinho de leitura é a culminância de um projeto com o qual viemos trabalhando desde o começo do ano. Surgiu da necessidade da comunidade, devido à nossa localização, que fica próximo ao açude de Apipucos, tão importante para nosso ecossistema”, contou a criadora do projeto, Maria Elaine Monteiro, professora do grupo 3.

“Durante todo o ano trabalhamos a questão do meio ambiente, da reciclagem e apesar deles serem muito pequenininhos, acreditamos que é a partir de agora que podemos criar uma consciência ambiental. Hoje eles entendem onde moram, o que pode acontecer se não cuidarmos do lugar onde vivemos e ficamos muito felizes com o resultado. Hoje os pais contam que quando vão jogar lixo no chão eles falam que está errado sujar o meio ambiente ”, comemorou Elaine. A professora também destacou o apoio da Escola Ambiental Águas do Capibaribe e do Centro de Educação, Tecnologia e Cidadania (Cetec) para a realização do projeto.

Atualmente, a rede conta com dezenas de hortas, como na Escola Nilo Pereira, em Casa Amarela, que serve de suporte para que professores ministrem suas aulas de forma interativa. Em ciências, a alimentação equilibrada vira foco com a função de vitaminas, sais minerais e fibras presentes nos alimentos. Em matemática, são as proporções que entram em campo, bem como a organização de dados, tabelas e gráficos. A Escola Municipal de Santo Amaro, por sua vez, inaugurou a primeira horta sensorial da rede, que se diferencia das hortas normais por permitir o estímulo através de quatro sentidos. O tato, através das texturas das plantas, a audição, com os repuxos d’água, a visão, através das cores e o olfato com os aromas das espécies.

A cidade também é pioneira na fundação da Escola Ambiental Águas do Capibaribe, um barco-escola que há 14 anos inovou ao ser a primeira unidade de ensino flutuante da capital pernambucana. Com foco em ecopedagogia, diariamente são realizados passeios-aula com até 50 pessoas nos turnos da manhã e tarde, com um número de 140 mil atendimentos realizados no período. Os passeios-aulas são ministrados por uma equipe de seis professores em um percurso pelas águas do Capibaribe, para estudantes a partir do quinto ano do ensino fundamental.