NOTÍCIAS

Saúde | 10.05.19 - 19h15

Médicos do Recife recebem capacitação sobre pés diabéticos

img_alt

Exames passarão a ser feitos nas unidades de Saúde da Família e ajudarão a reduzir os riscos de úlceras e amputações dos membros inferiores (Foto: Cortesia)

 

Setenta médicos que atuam na Atenção Básica da Secretaria de Saúde do Recife começaram a receber capacitação para qualificar o atendimento aos pacientes que têm diabetes. Até o fim desta sexta-feira (10) eles participam do “Step By Step Workshop em Neuropatias e Pé Diabético”, no qual estão recebendo orientações para realizar o exame dos pés das pessoas diabéticas. O curso, realizado através de uma parceria entre a Prefeitura do Recife, o Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) e a Sociedade Brasileira de Diabetes, é uma das estratégias do Plano de Enfrentamento às Doenças Crônicas Não Transmissíveis, instituído na capital pernambucana em 2015.

A abertura ocorreu pela manhã, no auditório do Cremepe, e contou com a participação do secretário municipal de Saúde, Jailson Correia, que fez uma analogia com o rito religioso conhecido como “lava-pés”. “Além de eficiente, examinar os pés é um gesto de carinho e cuidado com o paciente. Dessa forma, é possível melhorar a vida das pessoas apenas com processo de trabalho, sem qualquer grande tecnologia agregada”, afirmou o secretário.

O exame dos pés é uma avaliação simples, completa e obrigatória pela qual tem de passar todo paciente com diabetes e no qual o profissional faz testes de sensibilidade e reflexo. O exame está previsto no Protocolo Municipal de Diabetes, criado pela Secretaria de Saúde do Recife. O curso contempla formação teórica e prática, e os profissionais foram escolhidos para serem multiplicadores das informações nos Distritos Sanitários em que trabalham.

“Ter complicação nos pés é uma característica da doença, por isso devemos dar a atenção necessária ao exame, porque com o diagnóstico é possível prevenir em até 80% as úlceras, além de evitar amputações”, explicou a coordenadora do Programa de Doenças Crônicas Não Transmissíveis, Roberta Veloso.

PROTOCOLO –Lançado em dezembro pela Sesau, o Protocolo Municipal de Acompanhamento da Pessoa com Diabetes e/ou Hipertensão traz orientações para abordagem dos usuários com doenças crônicas não transmissíveis; identificação de fatores de risco e consulta para rastreamento dessas doenças; informações sobre diagnóstico e tratamento da diabetes e da hipertensão, além de orientações para assistência de enfermagem, odontológica e do agente comunitário de saúde.

Elaborado por profissionais médicos, enfermeiros, dentistas e agentes comunitários de saúde, com o auxílio da Coordenação de Saúde Bucal e do Programa Academia da Cidade, o protocolo foi idealizado de acordo com linhas essenciais à produção do cuidado na Atenção Básica, evidenciando aspectos multidisciplinares e com modelos de atenção centrados no paciente. O protocolo também traz a Caderneta de Saúde da Pessoa com Hipertensão e Diabetes.