NOTÍCIAS

Tecnologia | 03.12.17 - 21h08

Emprel anuncia os aplicativos vencedores da maratona de programação Hacker Cidadão 5.0

img_alt

Os aplicativos Freeda e Replant foram selecionados pelos jurados como os melhores dentre as sete propostas desenvolvidas. Na segunda etapa da maratona, os desenvolvedores entrarão em contato com as Secretarias da Mulher e Meio Ambiente (Foto: Pedro França/PCR)

 

Depois de três dias de maratona, os sessenta participantes do Hacker Cidadão 5.0 produziram sete aplicativos voltados para minimizar as mudanças climáticas e auxiliar na construção de um espaço urbano mais seguro para as mulheres. A quinta edição do hackaton terminou neste domingo (3), no Porto Mídia, com dois ganhadores, os aplicativos Freeda e Replant; o primeiro voltado para a prevenção da violência de gênero e, o segundo, com a proposta de diminuir as ilhas de calor através do plantio de hortas urbanas. A maratona de hacker foi promovida pela Prefeitura do Recife, por meio da Empresa Municipal de Informática (Emprel). 
 
Os primeiros colocados de cada temática receberam R$ 2 mil em dinheiro. A segunda fase da competição será com o auxílio das Secretarias municipais da Mulher e Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente, parcerias na maratona. Os desenvolvedores terão 60 dias de interação com a gestão para a aprimorarem seus projetos e entregarem uma versão atualizada. Durante o processo, a Emprel oferecerá um programa de apoio com especialistas na área de informática para cada projeto vencedor. 
 
Ao todo, foram desenvolvidos sete aplicativos que utilizaram os dados abertos da Prefeitura do Recife. Três para a categoria de mudanças climáticas e quatro que envolvem a temática das mulheres. Voltados para o clima foram: Ecoé, ETC e Replant. Já na segunda categoria foram criados o Freeda, Foi.Aq, Joolie e o Link Up. A comissão julgadora foi composta por representantes da Emprel, entre eles Eugênio Antunes e Homero Sampaio; da Secretaria da Mulher, com Inamára Melo; de Meio Ambiente com Alexandra Braga e Leta Vieira; junto com Rodrigo Silva, da empresa Red Hat. 
 
"O sucesso do Hackaton foi tão grande e o engajamento de vocês é tão bom que estimula a gente a fazer mais edições", comentou o presidente da Emprel, Eugênio Antunes. Midiã Ferreira, de 26 anos, foi uma das desenvolvedoras do aplicativo ganhador Replant. Ela e mais quatro colegas pensaram em diminuir as ilhas de calor através do plantio de hortas urbanas. O app utilizou a base de dados da Prefeitura do Recife ao acoplar as informações do projeto Sementeiras, ou seja, quem baixar pode conectar-se à gestão municipal e agendar um técnico para orientar o plantio no local selecionado. 
 
Segundo Lizandra Cruz, uma das programadoras do Replant, participar do Hackaton foi inesquecível. "Foi uma troca enorme de experiências. Valeu muito a pena as quatro horas que eu dormi em três dias!", disse. O outro projeto vencedor foi o Freeda, um aplicativo desenvolvido por um grupo de quatro pessoas, entre elas Raquel Melo, de 24 anos. A solução tecnológica mapeia as denúncias de assédio e violência contra a mulher nos espaços urbanos e conecta com à rede de proteção. "Nós tínhamos uma ideia e, quando foram se formar as equipes, vimos que estava tudo mais do mesmo. Aí, começamos a pensar em quais os problemas que atingem às mulhers nos espaços urbanos e decidimos reunir as informações e enviar para a Delegacia da Mulher, por exemplo", explicou.
 
João Lucas, de 23 anos, também desenvolvedor do Freeda, está ansioso para a segunda etapa da maratona. "Quermos ampliar as ideias, aperfeiçoar o aplicativo. Tivemos várias boas ideias que vão fazer todo o diferencial no contexto, esse contato com a Secretaria da Mulher vai ser essencial", pontuou.  
 
REC´n´Play- O REC’n’Play é uma iniciativa do Porto Digital, um dos mais importantes parques tecnológicos da América Latina, em parceria com a DUCA, maior holding de mídia do Norte/Nordeste. O evento ainda conta com o patrocínio do Governo do Estado de Pernambuco, da Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer, da Empetur e da AD Diper, da Prefeitura da Cidade do Recife, da Accenture e da Dronak, além do apoio do Sebrae. O evento se propõe a promover um ambiente de interação orgânico entre seus participantes, ao ponto que propicia não apenas atividades de puro entretenimento, mas discussões que deixem um legado para o público e para a cidade.