NOTÍCIAS

Mobilidade | 19.05.21 - 15h37

João Campos assina carta da ONU para redução de mortes no trânsito do Recife e anuncia mais 10 km de ciclofaixas

img_alt

O compromisso foi firmado na manhã desta quarta-feira (19) e faz parte da programação da Semana de Segurança Viária da ONU. (Foto: Marcos Pastich/PCR)

 

Para continuar investindo em soluções efetivas e inovadoras de segurança viária, a Prefeitura do Recife se comprometeu, nesta quarta-feira (19), com o movimento “Ruas pela Vida”, lançado pelas Nações Unidas para fomentar desenhos urbanos com velocidades de até 30 km/h e equipamentos sustentáveis na via, com o objetivo de reduzir as mortes no trânsito. O prefeito do Recife, João Campos, assinou uma carta na qual se compromete com políticas públicas sustentáveis e acessíveis na mobilidade urbana. Para comemorar a assinatura, foi anunciada, também, a implantação de 10 km de rotas cicláveis, a serem entregues nos próximos 90 dias. Com isso, serão 16 km entregues em 2021. Entre 2013 e 2021, o crescimento da malha cicloviária do Recife foi de 525% e, com as novas rotas, o Recife terá 93 km de equipamentos conectados entre a Zona Sul e a Zona Oeste e 68 km conectados entre o Centro e a Zona Norte.  Os projetos foram desenvolvidos em parceria com a Iniciativa Bloomberg de Segurança Viária, referência mundial sobre o assunto. 

“A gente está aqui na Ponte de Ferro, nesta semana que é a Semana de Segurança Viária da ONU. A gente está aqui com o representante da Bloomberg, com a presidente da CTTU, com todo o nosso time, para fazer o anúncio de 10 km de ciclovia e de ciclofaixa na cidade para serem implementadas já nos próximos 90 dias”, informou João Campos na ocasião. “E a gente vai assinar hoje aqui, conjuntamente, uma carta de compromisso da campanha da ONU, Ruas pela Vida, defendendo a segurança viária, a redução da velocidade, a mobilidade ativa, os pedestres e os ciclistas. Que a gente possa não apenas firmar aqui um compromisso na carta, mas fazer ações concretas como no dia de hoje que a gente faz a implementação dessa ciclofaixa, para a gente mostrar o nosso compromisso com a segurança viária no Recife”, destacou ele ainda, que assinou a carta ao lado da presidente da CTTU, Taciana Ferreira, e do representante da Bloomberg, Gustavo Sales. 

Somando os 10 km de novas rotas cicláveis, estão a Ciclofaixa Santo Antônio, com 1 km de extensão, que vai interligar os bairros da Boa Vista e de Santo Antônio e agregará, também, um espaço inovador de área compartilhada entre ciclistas e pedestres na Rua Nova. Na Zona Oeste da cidade, a Ciclofaixa Lindolfo Collor terá 2 km de extensão e fará a conexão com a Reitoria da UFPE, além de outros pontos de interesse nas proximidades. Esse equipamento também se interligará com a nova Ciclofaixa CDU/UFPE, que terá 3 km e potencializará a intermodalidade devido à proximidade com o Terminal Integrado CDU e trará outros benefícios como o acesso ao campus da UFPE e outros pontos de interesse público, como escolas. A Ciclovia Beberibe, na Zona Norte, será entregue com 2 km de extensão na nova via, que foi construída pela Secretaria de Saneamento do Recife. Também na Zona Norte, com 1 km de extensão, a Ciclofaixa Hipódromo se conectará aos bairros do Rosarinho e Torreão e possibilitará o acesso a instituições de ensino nas proximidades. Por fim, a Ciclofaixa Rua do Futuro, com 1 km de extensão, ligará o Parque da Jaqueira à Ciclofaixa Amélia, que vai até a área central da cidade. 

A PCR implantará, também, em parcerias público-privadas, novos paraciclos no entorno das rotas, beneficiando pontos de interesse público, conforme estabelece o Plano Diretor Cicloviário, discutido e aprovado por representantes do Governo e da Sociedade Civil no ano de 2014. Ao todo, serão mais 90 unidades de paraciclos, oferecendo vagas para bicicletas nas proximidades de praças, museus, equipamentos de saúde, instituições de ensino e o prédio da Prefeitura do Recife.

"Um trabalho dessa importância só se faz após etapas bem definidas, como os estudos viários e as conversas com as comunidades locais para entender as necessidades específicas. Para essa nova etapa fizemos todo esse processo - seguindo todos os protocolos sanitários - mesmo durante a pandemia. Continuar com a expansão da malha cicloviária é de extrema importância para a redução dos sinistros de trânsito", explicou o secretário municipal de Política Urbana e Licenciamento, Leonardo Bacelar.

De acordo com a presidente da CTTU, Taciana Ferreira, a expansão das rotas cicláveis é importante para promover a sustentabilidade e também contribui para um trânsito mais seguro. “Nós já conseguimos expandir quase 500% da malha cicloviária e isso é muito importante para que a gente possa contribuir para a mobilidade ativa, ou seja, para ciclistas e pedestres terem espaços mais seguros para fazerem os seus deslocamentos diários. E isso também é uma grande contribuição para as cidades sustentáveis e Recife está neste caminho. E nós estamos contribuindo também para a redução de acidentes de trânsito, a partir do momento que a gente cria espaços, com trânsito mais tranquilo e seguro, teremos mais segurança viária e isso vai contribuir de forma contundente para redução de lesões e vítimas do trânsito”, esclareceu ela.

A malha cicloviária do Recife vem recebendo destaque devido à sua evolução nos últimos anos. A cidade foi a que mais avançou na execução do Plano Diretor Cicloviário de Pernambuco, com mais de 70% das rotas complementares sob responsabilidade da PCR cumpridas. Em 2019, o Recife foi eleita a quarta cidade com a rede cicloviária mais acessível do Brasil em um índice do Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP) que contabiliza a população que está até 300 metros próximo a uma estrutura cicloviária. Durante a pandemia da covid-19, os técnicos da CTTU intensificaram os estudos e realizaram projetos para dar novas opções de deslocamento à população a fim de preservar o distanciamento social. Com pesquisas e diálogos com as comunidades, seguindo as medidas restritivas, foram implantados 34,4 km de rotas cicláveis durante a pandemia e, com esse dado, o Recife foi a quarta capital que mais implantou estruturas cicloviárias durante a pandemia na América Latina, e a segunda no Brasil.

O coordenador executivo da Iniciativa Bloomberg de Segurança Viária no Recife, Gustavo Sales, explicou a abordagem sistêmica dada nas diversas áreas da gestão do trânsito para atuar de maneira mais assertiva. "Tudo tem que atuar em conjunto, temos que passar a mensagem de comunicação da segurança viária, a fiscalização deve estar na rua para que as pessoas sintam a presença da fiscalização e percebam que a cidade está encomendando o cuidado com o trânsito e a questão da gestão de dados, que é o que sustenta tudo pra poder a gente conseguir consolidar de alguma forma a energia do órgão de trânsito e as demais ações de engenharia de uma maneira focada, porque uma vez que a gente gere o dado onde existem os maiores fatores de risco, a gente consegue trabalhar de uma forma focada, sem gastar tantos recursos da cidade, que a gente sabe que são limitados, que é o que direciona as ações de engenharia."

SEMANA GLOBAL DE SEGURANÇA NO TRÂNSITO - “Ruas pela Vida” (Streets for Life) foi o lema escolhido para a 6ª Semana Global de Segurança no Trânsito da ONU), que neste ano é celebrada entre os dias 17 e 23 de maio de 2021, defendendo limites de 30 km/h (#Love30) como norma em vias onde as pessoas e o tráfego de veículos mais se misturam. A semana é a ocasião para angariar compromissos em nível nacional e local para garantir o cumprimento de velocidades baixas em vias urbanas, conquistar apoio local para termos cidades mais seguras, saudáveis, verdes e habitáveis. 

Sobre a Iniciativa Bloomberg de Segurança Viária Global - A política de segurança viária desenvolvida pela Prefeitura do Recife é apoiada pela Bloomberg Philanthropies através de um programa de segurança viária, a "Iniciativa Bloomberg para Segurança Viária Global". Em 2020 a capital pernambucana foi uma das cidades contempladas com o projeto e hoje conta com uma equipe de técnicos especializados, além de uma rede internacional de organizações, que dão suporte às ações do poder público municipal em melhorias no gerenciamento de dados, infraestrutura, fiscalização, educação e comunicação.  Em todo o mundo estão participando do mesmo projeto as cidades de Accra e Kumasi, em Gana, Addis Abeba, na Etiópia, Bogotá e Cali, na Colômbia, Ho Chi Minh, no Vietnã, além de Salvador e São Paulo, também no Brasil.