NOTÍCIAS

Finanças | 23.02.18 - 15h26

Relatório de Gestão da Prefeitura do Recife do último quadrimestre de 2017 é apresentado aos vereadores

img_alt

Secretário de Finanças, Ricardo Dantas, destacou que o município mais uma vez cumpre metas fiscais (Foto: Irandi Souza/PCR)

 

A Prefeitura do Recife apresentou os números que encerram o ano fiscal de 2017 em audiência pública na Câmara Municipal do Recife. O secretário de Finanças do Recife, Ricardo Dantas, foi à casa legislativa, nesta sexta-feira (23), para apresentar o Relatório de Gestão do município referente ao último quadrimestre de 2017, em Audiência Pública. A Prefeitura fechou mais um ano cumprindo as metas fiscais estabelecidas pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), superando o investimento mínimo constitucional para Saúde e Educação, tendo registrado o maior investimento em Saúde da sua história, em relação à Receita Líquida de Impostos(RLI). Os respectivos presidente e vice- presidente da Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara, Eriberto Rafael, e Rinaldo Júnior, acompanharam a explanação do secretário.

Ricardo Dantas destacou que 2017 foi marcado como o terceiro ano de crise consecutiva, onde representantes da maioria dos municípios foram ao Governo Federal pleitear ajuda para fechar as contas, mas, sem sucesso, encerraram o ano no vermelho. Para o secretário, diferentemente desses municípios, o Recife conseguiu fazer seu dever de casa, graças ao trabalho do prefeito Geraldo Julio, que capitaneou as ações garantindo o equilíbrio fiscal do município.

O secretário ressaltou ainda que um dos pilares deste trabalho foi a manutenção do equilíbrio fiscal e para isso é preciso trabalhar no incremento da receita e na redução das despesas de forma contínua. A gestão, ao longo de 2017, honrou o pagamento dos servidores dentro do mês trabalhado, pagou o décimo terceiro salário, antes do Natal, além de pagamento regular dos fornecedores.

Apesar de os indicadores negativos da economia, que impactaram na arrecadação do município, a gestão superou os limites constitucionais mínimos de investimentos públicos, que são de 25% em educação e de 15% em saúde, tendo aplicado, no ano passado, 26,70% em educação e realizado o maior investimento em saúde, alcançando a marca de 19,54% da RLI.

O município apresentou, em 2017, um superávit orçamentário de R$ 214,3 milhões e um resultado primário de R$ 217,1 milhões.