NOTÍCIAS

Saúde | 30.06.20 - 22h00

Recife prorroga vacinação de grupos prioritários contra gripe

img_alt

Imunização só será disponibilizada para a população em geral se sobrarem doses depois de o Recife bater a meta de todos os grupos prioritários (Foto: Andréa Rêgo Barros/PCR)

 

Por conta da baixa cobertura na capital pernambucana, a Prefeitura do Recife prorrogou a vacinação de grupos prioritários contra gripe. A Campanha Nacional de Vacinação contra Gripe, que seria finalizada nesta terça-feira (30), vai continuar sendo feita em mais de 130 unidades de saúde do município enquanto durarem as cerca de 150 mil doses da vacina ainda disponíveis na Secretaria de Saúde (Sesau) do Recife. Apesar de mais de 492 mil pessoas terem se imunizado na campanha deste ano, quatro grupos prioritários atingiram pouco mais de 35% da cobertura e, portanto, estão abaixo da meta de 90% estipulada pelo Ministério da Saúde: crianças de 6 meses a 5 anos de idade, gestantes, puérperas (mães até 45 dias após o parto) e adultos de 55 a 59 anos.

Na capital pernambucana, a vacina contra gripe só será disponibilizada para a população em geral se sobrarem doses depois de o Recife bater a meta desses quatro grupos prioritários. Atualmente, apenas os idosos e os profissionais de saúde atingiram a meta de cobertura vacinal estipulada pelo Ministério, com 139,9% e 144,6%, respectivamente. “A imunização é considerada um serviço essencial e, portanto, as pessoas devem ir à até a unidade de saúde para receber a vacina. Mas na ida ao posto, é sempre importante lembrar de usar máscara e higienizar as mãos”, reforça a diretora de Atenção Básica à Saúde do Recife, Ana Sofia Costa. 

As unidades de saúde do município funcionam de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, e, além dos grupos já citados, vão continuar imunizando pessoas com deficiência e professores que ainda não se vacinaram. Também podem receber a imunização os grupos das primeira e segunda fases da campanha que ainda não se vacinaram: pessoas idosas, profissionais de saúde, pessoas com doenças crônicas não-transmissíveis e outras condições clínicas especiais (diabéticos, obesos, transplantados, entre outros), detentos e funcionários do sistema prisional, adolescentes e jovens em cumprimento de medida socioeducativa, profissionais das forças de segurança e salvamento (policiais, militares, bombeiros, guardas municipais etc), além dos portuários, caminhoneiros, motoristas e cobradores de transporte coletivo. 

A vacina não protege contra o novo coronavírus, mas sim contra os três tipos de vírus Influenza que mais circularam no hemisfério sul em 2019: Influenza A H1N1, Influenza B e Influenza A H3N2. Apesar disso, a imunização se torna ainda mais importante neste período de pandemia porque pode auxiliar os profissionais de saúde na exclusão do diagnóstico de covid-19, uma vez que os sintomas das duas doenças são parecidos, além de minimizar o impacto sobre os serviços de saúde, evitando que mais pessoas fiquem doentes.

A recomendação do Programa de Imunização do Recife é que, para agilizar a vacinação, os usuários levem um documento de identificação, a carteira de vacinação e o cartão SUS (se tiverem esses dois últimos). Além disso, parte do público-alvo precisa apresentar também documentos que provem a necessidade da imunização. As mães no pós-parto devem levar documentação que comprove a realização do parto nos últimos 45 dias, como, por exemplo, a certidão de nascimento da criança.  

Já os professores e os profissionais de saúde, por exemplo, devem levar comprovantes laborais, como crachás ou carteira de trabalho. As pessoas com doenças crônicas não-transmissíveis e outras condições clínicas especiais devem apresentar prescrição médica especificando o motivo da indicação da vacina. Os portuários, caminhoneiros, motoristas e cobradores de transporte coletivo devem apresentar documento comprobatório, como carteira de trabalho, contracheque com documento de identidade, carteira de sócio dos sindicatos de transportes ou carteira de habilitação (categorias C ou E). 

Confira aqui a lista de unidades de saúde qcom vacinação contra gripe